Carnaval

Aproveitando a data, nada melhor do que um esclarecedor texto de René Guénon:

Sobre a Significação das Festas Carnavalescas*

In: “Os Símbolos da Ciência Sagrada”, 9ª edição. Trad. J. Constantino Kairalla Riemma. São Paulo: Pensamento, 1993. Cap. 21, pp. 126-130.

A propósito de certa “teoria da festa” formulada por um sociólogo, assinalamos1 que essa teoria tinha, entre outros defeitos, o de querer reduzir todas as festas a um só tipo, que constitui o que se poderia denominar festas “carnavalescas”, expressão que nos parece bastante clara por ser facilmente compreendida por todo mundo, pois o carnaval representa na verdade o que delas subsiste ainda hoje no Ocidente. Dizíamos, então, que se apresentam, em temas desse gênero, questões dignas de um exame mais aprofundado. De fato, o que sempre se evidencia nelas, antes de tudo, é uma impressão de “desordem” no sentido mais amplo da palavra. Como explicar então a existência dessas festas, não só numa época como a nossa, em que se poderia considerá-las simplesmente como uma das inúmeras manifestações do desequilíbrio geral, mas também, e mesmo com maior desenvolvimento, nas civilizações tradicionais, com as quais parecem incompatíveis à primeira vista?

Não é inútil citar aqui alguns exemplos precisos. Mencionaremos em primeiro lugar, a esse respeito, certas festas com caráter bem estranho celebradas na Idade Média: a “festa do jumento”, em que esse animal, cujo simbolismo propriamente “satânico” é bem conhecido em todas as tradições,2 era introduzido até mesmo no próprio coro da igreja, onde ocupava o lugar de honra e recebia as mais extraordinárias provas de veneração; e a “festa dos loucos”, em que o baixo clero entregava-se às piores inconveniências, parodiando tanto a hierarquia eclesiástica, quanto a própria liturgia.3 Como é possível explicar que tais coisas, cujo caráter mais evidente é sem dúvida de paródia e até mesmo de sacrilégio,4 tenham podido, numa época como aquela, ser não só toleradas, mas até mesmo admitidas de certa forma oficialmente?

Mencionaremos ainda as Saturnais dos antigos romanos, das quais o carnaval moderno parece ter derivado diretamente, ainda que seja apenas, para dizer a verdade, um vestígio muito empobrecido: durante essas festas, os escravos davam ordens aos senhores e estes os serviam;5 tinha-se então a imagem de um verdadeiro “mundo invertido”, onde tudo se fazia ao contrário da ordem normal.6 Ainda que se pretenda comumente que havia nessas festas uma evocação da “idade de ouro”, essa interpretação é inteiramente falsa, por completo, pois não se trata de uma espécie de “igualdade” que poderia ser vista a rigor como representativa, na medida em que o permitem as condições presentes,7 da indiferenciação primitiva das funções sociais; trata-se de uma inversão das relações hierárquicas, o que é inteiramente diferente. Uma tal inversão constitui-se, de modo geral, numa das características mais claras do “satanismo”. É preciso, portanto, ver nelas algo mais relativo ao aspecto “sinistro” de Saturno, que por certo não lhe pertence enquanto deus da “idade do ouro”, mas sim na medida em que hoje é apenas o deus decaído de um período encerrado.8

Podemos ver, por exemplo, que existe invariavelmente nas festas desse gênero um elemento “sinistro” e mesmo “satânico”, e que, de modo especial, é precisamente esse elemento que agrada ao vulgar e excita a sua satisfação. Aí está, com efeito, alguma coisa que é muito apropriada, muito mais que outra qualquer, para satisfazer às tendências do “homem decaído”, na medida em que essas tendências o impelem a desenvolver sobretudo as possibilidades mais inferiores de seu ser. É nisso em particular que reside a verdadeira razão de ser das festas em questão. Trata-se, em suma, de “canalizar”, de algum modo, essas tendências e de torná-las tão inofensivas quanto possível, dando-lhes ocasião de se manifestarem, mas somente durante períodos muito curtos e em circunstâncias bem determinadas, estabelecendo, assim, para essa manifestação, limites estreitos que não é permitido ultrapassar.9 Se não fosse assim, essas mesmas tendências, por falta de receberem o mínimo de satisfação exigida pelo estado atual da humanidade, correriam o risco de explodir, se pudermos assim dizer,10 e estender seus efeitos à existência inteira, coletiva e individual, causando uma desordem muito mais grave do que a que se produz apenas durante alguns dias especialmente reservados a esse fim, e que é muito menos temível por estar como que “regularizada”. Por um lado, esses dias estão colocados em certa medida fora do curso normal das coisas, de modo que não exerce sobre ele qualquer influência apreciável, e no entanto, por outro, o fato de que não existe aí nada de imprevisto “normaliza” de certa forma a própria desordem e a integra na ordem total.

Além dessa explicação geral, que é evidente quando se está disposto a refletir, existem algumas observações úteis que podem ser feitas, em particular no que diz respeito às “mascaradas”, que desempenham um papel importante no carnaval propriamente dito e em outras festas mais ou menos similares. E essas observações confirmarão ainda o que acabamos de dizer. De fato, as máscaras de carnaval são em geral hediondas e evocam com freqüência formas animais ou demoníacas, de modo que são como que uma espécie de “materialização” figurativa dessas tendências inferiores, até mesmo “infernais”, que então é lícito exteriorizar. Mais ainda, cada um escolherá naturalmente, mesmo sem ter consciência clara disso, aquela que melhor lhe convém, isto é, aquela que representa o que está mais de acordo com suas tendências dessa ordem. Assim, poderíamos dizer que a máscara, supostamente destinada a ocultar o verdadeiro rosto do indivíduo, faz, ao contrário, aparecer aos olhos de todos o que ele traz em si na verdade, mas que de hábito deve dissimular. É bom notar, pois isso esclarece ainda mais a natureza de tais fatos, que existe aí uma espécie de paródia da “reversão” que, tal como explicamos em outro lugar,11 produz-se num certo grau do desenvolvimento iniciático; paródia, dizíamos, e contrafacção verdadeiramente “satânica”, pois nesse caso a “reversão” é uma exteriorização, não mais da espiritualidade, mas sim, pelo contrário, das possibilidades inferiores do ser.12

Para terminar esse esboço, acrescentaremos que se as festas dessa espécie estão-se reduzindo cada vez mais, e só parecem despertar o interesse do povo, é porque, numa época como a nossa, elas perderam na verdade sua razão de ser.13 De fato, como se poderia tratar ainda de “circunscrever” a desordem e encerrá-la em limites rigorosamente definidos, quando está espalhada por toda parte e se manifesta sem cessar em todos os domínios em que se exerce a atividade humana? Se nos mantivermos presos às aparências exteriores e a um ponto de vista simplesmente “estético”, poderíamos ser tentados a nos congratular com o desaparecimento quase completo dessas festas, em especial pelo aspecto “disforme” de que se revestem, como é inevitável. Mas essa desaparição, ao contrário, quando se vai ao fundo das coisas, constitui-se em sintoma muito pouco tranqüilizador, pois revela que a desordem irrompeu em todo curso da existência e se generalizou a tal ponto que, pode-se dizer, estamos na realidade vivendo um sinistro e “eterno carnaval”.

Notas:

* Publicado na revista Études Traditionnelles, dez. 1945.
1. Ver a revista É.T., abr. 1940, p. 169.
2. Seria um erro querer opor a isso o papel desempenhado pelo jumento na tradição evangélica, pois, na realidade, o boi e o jumento, colocados lado a lado na manjedoura em que Cristo nasceu, simbolizam respectivamente o conjunto das forças benéficas e maléficas; tornamos a encontrá-los na crucificação, sob a forma do bom e do mau ladrão. Por outro lado, Cristo montado num jumento, sua entrada em Jerusalém, representa o triunfo sobre as forças maléficas, triunfo esse que se constitui na própria “redenção”.
3. Esses “loucos”, aliás, levavam um chapéu com orelhas compridas, claramente destinadas a evocar a idéia de uma cabeça de jumento, traço este que é muito significativo do ponto de vista em que nos colocamos.
4. O autor da teoria a que nos referimos reconhece a existência dessa paródia e do sacrilégio, porém, atribuindo-os ao seu conceito de “festa” em geral, pretende que sejam elementos característicos do próprio “sagrado”, o que não só é um paradoxo exagerado, mas, também, é preciso dizer, claramente, uma contradição pura e simples.
5. Encontram-se, inclusive, em países muito diferentes, casos de festas do mesmo gênero em que se chegava a conferir, temporariamente, a um escravo ou um criminoso as insígnias da realeza, com todo o poder que comportam, com a ressalva de dar-lhe morte assim que a festa terminasse.
6. O mesmo autor fala também, a esse respeito, de “atos às avessas” e mesmo de “retorno ao caos”, o que contém ao menos uma parte da verdade, mas, por uma surpreendente confusão de idéias, assimila o caos à “idade de ouro”.
7. Referimo-nos às condições do Kali-Yuga ou da “idade de ferro”, da qual a época romana e a nossa fazem parte.
8. Que os antigos deuses tornam-se, de uma certa forma, demônios, é um fato constatado com grande freqüência, e a atitude dos cristãos em relação aos deuses do “paganismo” é um caso particular disso, mas que parece não ter sido jamais explicado como deveria. Não podemos, contudo, insistir sobre este ponto, que nos levaria fora do nosso tema. Deve ficar bem entendido que isso tudo se refere apenas a certas condições cíclicas, mas que não afeta ou modifica em nada o caráter essencial desses mesmos deuses enquanto simbolizam intemporalmente princípios de ordem supra-humana, de modo que, ao lado desse aspecto maléfico acidental, o aspecto benéfico, apesar de tudo, subsiste sempre, até mesmo quando completamente desconhecido pelas “pessoas de fora”. A interpretação astrológica de Saturno poderia fornecer um exemplo muito claro a esse respeito.
9. Isso corresponde à questão do “enquadramento” simbólico, à qual nos propomos voltar. [Ver cap. 66.]
10. No fim da Idade Média, quando as festas grotescas de que falávamos foram suprimidas ou caíram em desuso, produziu-se uma expansão da feitiçaria desproporcional ao que se havia visto nos séculos precedentes. Esses dois fatos têm uma relação muito direta entre si, ainda que geralmente despercebida, o que é, aliás, mais surpreendente na medida em que existem algumas semelhanças evidentes entre tais festas e o sabá dos bruxos, em que tudo se fazia também “às avessas”.
11. Ver Initiation et réalisation spirituelle, cap. XXX: L’Esprit est-il dans le corps ou le corps dans l’esprit?
12. Havia ainda, em certas civilizações tradicionais, períodos especiais em que, por razões análogas, permitia-se que as “influências errantes” se manifestassem livremente, tomando-se no entanto todas as precauções necessárias em tais casos. Essas influências correspondem, naturalmente, na ordem cósmica, ao que é o psiquismo inferior no ser humano e, por conseguinte, entre a sua manifestação e as influências espirituais existe a mesma relação inversa que entre as duas espécies de exteriorização que acabamos de mencionar. Afinal, nessas condições, não é difícil compreender que a própria mascarada parecer figurar, de certo modo, o aparecimento de “larvas” ou espectros maléficos.
13. Isso quer dizer que, para falar claro, elas são apenas “superstições”, no sentido etimológico da palavra.

  • http://aibarboza.blogspot.com/ Alexandre

    Grande amigo Alexander!!!
    Fazem alguns anos que não conversamos, mas creio que isso vai mudar em breve.
    Espero que esteja bem!
    Hoje ví que vc ainda é aluno da USP em filosofia, curso que alias acabei de entrar também.
    Você vai à aula esta semana?
    Se tiver um tempo vamos bater papo.
    Até mais

    Alexandre

  • http://www.alexandergieg.org/ Alexander Gieg

    Oras, oras! A quanto tempo!

    Continuo graduando em Filosofia, sim. Entrei em 2000, um monte de colegas meus já se formaram, mas por motivos variados eu mesmo ainda não concluí o curso. Um dia chego lá. :)

    Como essa semana é a recepção a calouros, e as aulas propriamente ditas só (re)começam semana que vem, não pretendo ir. Nos vemos a partir do dia 3, okay?